Pictures of Lightning

Pesquisar este blog

Páginas

quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

O LAGARTO E O DRAGÃO



Era uma vez um fazendeiro muito rico...
Gado a dar com pau..lavoura de diversos
cereais..pomar com as mais variadas es-
pécies de frutas. Mesmo assim não pare-
cia estar satisfeito.Queria algo mais..
que isso tudo não estava lhe proporcio-
nando. A média de produção por volta de
80% devia-se em grande parte a um lagar
to;responsável pelo combate aos insetos
e outras pragas comprometedoras. Mas en
tendia possuir poder que o levaria mais
longe; dentro de como via a questão.Pen
sou e decidiu experimentar um dragão...
O lagarto, vendo sua função sendo desem
penhada com muito mais eficiência, dei-
xou a fazenda em busca de trabalho nou-
tros lugares. No início foi uma beleza!
O bicho acabou com todas as pragas que
não conseguiram refúgio no subterrâneo.
Ficando sem ter com que se alimentar,co
meçou a comer pequenas reses..cereais..
frutas.. E agora? Dispensar o monstro e
trazer de volta o lagarto? Tudo bem! Só
que desta vez ele não iria dar conta da
quantidade que proliferara abaixo da su
perfície. Situação complicada! O lagar-
to já havia se intimidado diante do bi-
cho. Juntá-lo a outros dificilmente re-
solveria; visto que já lhe conheciam a
fama. Aliado a isso, o crescente núme-
ro da peste escondida diminuia mais as
chances. Talvez um dragãozinho...com o
tempo...conseguisse resgatar boa parte
do todo;antes tido como insatisfatório.
Aparentemente a impressão era de que o
trabalho do bicho menor havia alcança-
do efeito positivo;deixando a situação
em condições de ser controlada pelo la
garto; o que tornava sua presença não
mais necessária.E o que os predadores
deixaram sob a terra? A força com que
aflorou, ordenando o imediato retorno
do monstro era imperiosa, implacável.
Foi quando sua fúria veio para aniqui
lar;já de olho em novas insatisfações

Ass/Jorge


Outro episódio interessante: Carna-
val, carro cheio,todo mundo alegre,
pé no acelerador...De repente o ami
go do lado gritou:Ó o balão!! O ton
to põe a cara prá fora...e olha pro
céu...


Agora é gozação narrada de forma
séria. Amigo meu, disse ter pas-
sado de carro numa certa estrada
do Estado de Minas Gerais...onde
a região é abundante em minérios
imantados nas encostas rochosas.
Jurou que parou o veículo na su-
bida,desceu sem puxar o freio de
mão..Já fui perguntando: O carro
não desceu?? Teve o displante de
me dizer: Não só não desceu..co-
mo subiu...


Fato verídico ocorrido numa pequena
cidade do interior de S.Paulo.1961:
O garotão dirigindo um Gordine, en-
trou meio quente numa curva..e capo
tou. Algum tempo depois, estava com
um amigo no carro,e foi mostrar co-
mo tinha feito; capotou outra vez..


Dois amigos tomando cerveja num
restaurante. Não havia mais es-
paço na mesa para garrafas va
zias. Sutilmente, um deles suge
riu ao outro: Viu..Zé!!,chama o
garçom para tirar esse monte de
garrafas;senão dá impressão que
a gente bebeu tudo isso...

MAIS FRAQS.ABUNDS.



Problema de gente que fala demais,
principalmente mal da vida alheia.
O dito cujo morava no exterior....
Morreu, e foi necessária a remoção
para o país de origem.O corpo veio
de avião, e a língua de navio car-
gueiro.. Ao invés de enterrarem-no
como nasceu, os familiares resolve
ram vender a língua para uma fábri
ca de fazer trenas.

quinta-feira, 7 de janeiro de 2010

FRAQUINHAS ABUNDANTES



O unicórnio vangloriando-se diante
do touro, como se ter menos fosse
ser menos.

5 hs da tarde, o professor dando
aula desde às 7 da manhã, um des
ses alunos irritantes o interrom
pe com uma pergunta...nada a ver
com o tema que estava sendo abor
dado: Ô..professor!que tamanho é
o cérebro? Mais ou menos do tama
nho de um ovo de páscoa..Sim,mas
ovo de páscoa de que tamanho? Ta
manho do cérebro, querido!

Quem planta vento, convém ficar
longe na hora da colheita.

O jeito mais fácil de diminuir o
cigarro é fumá-lo.

Problema do Tarzan é a cobra-cipó.

Cadela Fila,campeã mundial do con
curso "A mais bela cadela". Tudo
proporcional: tamanho da cabeça,
patas,orelhas,dorso,ventre,postu
ra, etc.. Uma Fila harmônica!

O cara mandava cartinhas atrevi-
das para uma mulher. O marido de
la descobriu,e abordou o cidadão:
Escuta,voce não sabe que ela é ca
sada? Sou eu o marido! Me descul-
pe, eu não sabia.Nunca a vi com o
Sr! Por que não procurou se infor
mar? É que não gosto de me meter
na vida dos outros.

O cara no exame de vista para re
novar CNH:
Médico-O Sr passou raspando a tra
ve, hein...
O cara-Ainda bem, né!?
Médico-Raspando pelo lado de fora!

Na praia:
Ô pai! A onda rancô o maiô da vó!
Tó o binóculo pro Sr olhá...
Ô pai! Sr tá olhando ku binóculo
du contrário...Desculpe, filho!
O pai tava distraído.

TRIBUTO AOS OSSOS



Agora, por favor, peço que todos se
levantem!! Um estrondo craquelético
tomou conta da necrópole.. O pales-
trante, um ex médico, achou melhor
unir-se aos idos..antes da vontade
superior; em virtude da secação da
matéria mole provocada pelo uso a-
busivo do tabaco.Além de osso, ape
nas pele; o que lhe conferia certa
superioridade sobre os demais. Dr.
Blue, assim o chamavam; visto que
suas cavidades oculares eram de um
azul profundo.Bastante calvo,o pou
co de cabelo que ainda lhe restava
nas laterais da calota possuia um
tom ferruginoso. Terminado o ofí-
cio, tinha lugar o lazer...madru-
gada a dentro... Casais passeavam
por entre os túmulos e avenidas..
Uns jogavam baralho,outros apanha
vam frutinhas vermelhas,indicadas
pelo Dr.Blue..como substância pre
ventiva nas anomalias ósseas. Mui
tos se recolhiam cedo,mas a ausên
cia trazia-lhes visita. Às vezes,
já de pijama, retomavam o vestuá-
rio oficial. Masculino,terno..fe-
minino,longo. Tudo na cor preto..
Forma sugerida por Blue como sím-
bolo de união, e aceita pela maio
ria. Assim, um dia por mes, acon-
tecia a confraternização. Aos pri
meiros sinais da alvorada, o gali
nho do cipreste soprava sua corne
tinha..anunciando o fim de mais u
ma folia. Os membros, então, come
çavam a se recolher, ao que acom-
panhava a riqueza de seus acordes
desencontrados.